Entidades do setor produtivo em Uberlândia entregam sugestões para o Comitê Municipal de Enfrentamento à Covid-19

Nesta sexta-feira (3/07), entidades representativas do setor produtivo de Uberlândia entregaram ao Comitê Municipal de Enfrentamento à Covid-19, sugestões para o combate e prevenção à doença na cidade, com a proposta da retomada das atividades econômicas e outras medidas. A suspensão do funcionamento de estabelecimentos não essenciais, de acordo com a Deliberação nº 011 do Comitê, vence na próxima segunda-feira (6/07).

No documento, as entidades reconhecem como positiva a adoção pelo município do protocolo precoce, orientando os setores público e privado de saúde a receitarem medicamentos de combate à Covid-19 desde o início da doença, bem como a disponibilização dos medicamentos gratuitamente para toda a população nas farmácias da rede pública.

Ainda sobre esta questão, manifestam ser necessária uma ampla campanha de comunicação com a orientação clara à população, de acordo com os critérios definidos, no sentido de procurar o sistema de saúde aos primeiros sintomas da doença para iniciar o tratamento baseado no protocolo precoce.

A necessidade de viabilizar a ampliação do número de leitos de UTIs no município também foi destacada, sendo que as entidades se colocaram à disposição para discutir maneiras de ajudar na implementação das ações nesse sentido.

Quanto à retomada das atividades econômicas, foi salientado que, com base nos dados da própria Prefeitura, as restrições impostas ao comércio pelas Deliberações 010 e 011, que limitaram, mais uma vez, o funcionamento das atividades econômicas aos segmentos considerados essenciais, não gerou nenhuma melhora nos índices de isolamento social, propósito único para tal medida.

Desta forma, foi solicitada a imediata liberação (a partir da segunda-feira, dia 6 de julho) de todas, enfatizando, todas as atividades econômicas existentes no município de Uberlândia, respeitando os critérios sanitários especificados para cada tipo de operação, bem como uso obrigatório de máscaras, higienização das mãos e dependências físicas, além do distanciamento mínimo recomendado durante os atendimentos aos clientes.

Para esta reabertura, as entidades sugeriram a implantação de um escalonamento de horário para abertura e fechamento de algumas atividades, de acordo com a localização geográfica e característica comercial de cada segmento, assim como uma proposta mais genérica, que prevê escalas com início às 8h, indo até às 12h da seguinte forma:

  • Lojas do centro: abertura às 9:00
  • Lojas de bairro: abertura às 10:00
  • Lojas de departamento: abertura às 11:00
  • Lojas de shoppings: abertura às 12:00

O documento também reforça algumas reivindicações no sentido de tornar mais claras e efetivas as regras para o cumprimento das normas sanitárias de forma isonômica, como: 

  • Aumento significativo da fiscalização por parte do poder público, inclusive nos bairros, e com reforço do emprego de forças policiais, se for o caso, para garantir o cumprimento das normas de funcionamento do comércio;
  • Isonomia nos critérios de isolamento (número de pessoas dentro dos estabelecimentos deve ser proporcionalmente igual a todas as atividades comerciais);
  • Garantia, por parte do comitê, de uma resposta formal aos pleitos aqui representados, bem como aos abordados no documento do dia 23 de junho, também protocolado junto ao Comitê.

A maior parte das sugestões apresentadas nesta sexta-feira já haviam sido enviadas em outro documento, protocolado no dia 23 de junho, mas sem respostas. Para finalizar, as entidades ressaltaram que a intenção é contribuir com o poder público de forma construtiva, colocando sempre a preservação da vida em primeiro lugar e atuando, ao mesmo tempo, na preservação de milhares de empregos de famílias uberlandenses. Dados oficiais mostram que milhares de postos de trabalho já foram fechados em Uberlândia, sendo essa situação preocupante, ainda mais com a realidade em que os empreendedores têm cerceado o direito de trabalhar livremente, mesmo respeitando os protocolos sanitários.

Assinaram o documento protocolado na manhã desta sexta-feira, as seguintes entidades: ABRAMPE – Associação Brasileira das Micro e Pequenas Empresas; ACIUB – Associação Comercial e Industrial de Uberlândia; CDL – Câmara dos Dirigentes Lojistas de Uberlândia; FIEMGFederação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – Regional Vale do Paranaíba; OAB – Ordem dos Advogados do Brasil – 13ª Subseção; SRU – Sindicato Rural de Uberlândia; SINDICOMERCIO-UDI – Sindicato do Comércio de Uberlândia; SINDTUR – Sindicato Intermunicipal do Turismo; UNEDI – União das Empresas dos Distritos Industriais de Uberlândia e Visite Uberlândia.