Campanha Dezembro Laranja alerta para a prevenção do câncer de pele

Oncologista do Centro Oncológico do Triângulo chama a atenção para os cuidados com a exposição ao sol nesta época do ano

O mês de dezembro marca o início do verão, estação conhecida por temperaturas mais elevadas e dias mais longos com maior incidência de raios solares. Apesar de ser um convite para atividades ao ar livre, esta época do ano também acende um alerta para a importância de estar atento aos cuidados com a exposição ao sol, que sem a devida proteção pode levar ao desenvolvimento do câncer de pele. Neste mês, marcado por esta conscientização lembrada por meio da campanha ‘Dezembro Laranja’, o oncologista do Centro Oncológico do Triângulo – COT, Dr. Fernando Maciel, chama a atenção para a prevenção e a exposição inadequada ao sol.

A exposição excessiva ao sol é a principal causa do câncer de pele não-melanoma, que corresponde a 30% de todos tumores malignos registrados no país, de acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA). O Instituto estima ainda que no ano de 2019 sejam diagnosticados 85.170 novos casos entre os homens e 80.410 nas mulheres. Entre a população feminina este é o tipo mais incidente em todas regiões do país. O oncologista do COT, Dr. Fernando Maciel, chama a atenção para a prevenção, que deve ser redobrada neste período do ano. “É indispensável estar protegido ao se expor ao sol em qualquer estação do ano, porém o verão coincide com o período de férias escolares e torna-se mais convidativo para a realização de atividades ao ar livre. Assim o cuidado deve ser ainda maior e a orientação é utilizar cotidianamente o protetor solar, mesmo em dias nublados, assim como óculos de sol e chapéu. Outra dica é evitar a exposição ao sol entre dez da manhã e quatro da tarde, período em que a incidência dos raios solares são mais prejudiciais”, destaca o oncologista.

Ainda segundo o oncologista, além dos cuidados com a exposição ao sol, estar atento a sinais na pele é outra forma de prevenir e identificar a doença em estágios iniciais. “O câncer de pele é silencioso, por isso é importante estar atento a sinais como o surgimento de manchas acastanhadas ou enegrecidas e pintas. O diagnóstico precoce potencializa as chances de cura, mas quando não identificado no início o tumor pode se espalhar pelo corpo e comprometer outros órgãos”, afirma o Dr. Fernando Maciel.

Tratamento

O tratamento do câncer de pele é prescrito de acordo com o tipo e a extensão da doença. Os casos de menor gravidade podem ser tratados com procedimentos simples, como remoção do tumor com bisturis, por meio do congelamento, ou utilizando lasers, entre outros processos. Além das intervenções cirúrgicas, a radioterapia, a quimioterapia, a imunoterapia e medicações são opções de tratamento que podem ser utilizadas separadamente ou combinadas